amazon

amazon
amazon - clique na imagem

quinta-feira, 31 de março de 2011

Isso dói...

Uma das coisas mais fascinantes da vida, de minha vida é ser mãe. É inexplicável, não cabe dentro do coração, é incondicional. Sim, eu abri mão de profissão, que sei que seria promissora, pra cuidar de meus pequenos. Como é que eu ia deixar aquelas coisinhas lindas, loirinhas, olhinhos azuis, nas mãos de outra pessoa que não fosse eu? Fiz e não me arrependo.
Mas às vezes isso dói. Porque não basta você estar do lado cuidando, você tem que educar, ensinar, mostrar o caminho, guiá-los pra a vida e não pra barra de sua saia.
É difícil dizer não, mas é necessário. E dói... dói tanto que a gente nunca se esquece de todos os 'nãos'  ditos a eles.
Não podemos abrir mão de uma boa educação, e o papel mãe (falo de mim) é sacrificante e prazeroso ao mesmo tempo.
Quando crianças, dizemos não, eles abrem o berreiro, mas basta um assunto mais interessante e eles param e se esquecem porque estavam chorando.
Nós adultos deveríamos, às vezes, ter essas crises de choro como fazem as crianças. Berrar, soluçar, até ficar rouca... é necessário... Ninguém vai nos acudir ou nos distrair a atenção para pararmos, mas relaxa, coloca pra fora toda a angústia, a agonia, o incômodo tão comuns no ser humano.
Mas quando adolescentes, a gente fala uma, duas, dez, cinquenta vezes, eles concordam mas não colocam em prática.
E nós mães, que temos um pouco mais de vivência e amamos demais não nos resta outra coisa a não ser falar de igual pra igual. Com dureza, o português claro, doendo no fundo da alma, mas necessário pra quem sabe acender aquela luzinha na cabecinha deles e entender o que eles estão fazendo da vida, que vai refletir lá na frente, mas como são jovens não conseguem enxergar.
Isso dói, mas dói muito, porque depois do aviso, a única coisa que fazem é ficar arrastando o beiço pela casa dias e dias.
E fazem questão de nos olhar, ou não olhar, e nos fazer entender que estão dizendo: 'mãe, não te amo mais!"
Isso nos destroi, corroe o coração, a alma. Mas se é pro próprio bem deles aguentamos firmes, e esperamos por alguns dias pra que tudo volte ao normal. E volta! Mas nesse meio tempo o sofrimento maternal também é incondicional.
Mãe deveria ter vários corações, em várias partes do corpo, minúsculos, mas funcionais.
Às vezes tenho a impressão de que não vou aguentar... Mas Deus com sua perfeição e sabedoria nos olha nos olhos e diz: "Calma, filha, isso também passa".
Obrigada meu Deus, por ter me emprestado esses filhos maravilhosos pra eu cuidar. Dou minha vida por eles, dou minha alma, meu coração, e todo o meu amor incondicional. E prometo cuidar deles, fazê-los cidadãos decentes, honestos e dignos de passar por essa vida de cabeça erguida e com orgulho de serem o que são. Amém!

E aí estão os donos do meu coração....

Leonardo

Amanda

quarta-feira, 30 de março de 2011

Os bons morrem jovens...

Renato Russo cantava essa música e foi interrompido pra dar a notícia da morte de José Alencar.
Um homem honesto, simples, bem humorado, de bem com a vida, com muita fé, que não tinha medo da morte e que também era vice-presidente da República Federativa do Brasil.
É o fim de todo mundo... A morte.
Como diz Paulo Coelho: "Se tratássemos a morte como ela realmente é, seríamos mais ousados, já que ela é inevitável"
Lá se foi um homem de bem... Foi pra onde? Quem sabe?
Ninguém sabe, porque ninguém morreu e voltou pra contar. Mas eu acredito que a morte não é um fim. Não é possível vivermos somente aqui. Não teria sentido.
Eu acredito que exista uma outra dimensão, talvez o céu e o inferno... O inferno é aqui!
Segundo a definição do Michaellis:
Inferno - Lugar subterrâneo em que habitavam as almas dos mortos.
            Segundo o cristianismo, lugar destinado ao suplício das almas dos condenados e onde habitam demônios.
            Tormento, martírio atroz. Desordem. Lugar ou vida de desordem ou confusão. Desassossego, inquietação.
Todos nós carregamos nossa cruz, todos nós sofremos, todos nós passamos por provações, torturas, desilusões, reprovações, julgamentos, ódio, inveja...
Isso me faz crer que aqui na Terra é que pagamos nossos pecados. Cada um tem o seu, cada um passa pelo que tem que passar, apesar do livre arbítrio.
E deve ter um céu, que segundo Michaellis:
Céu - Espaço infinito onde se movem os astros. Abóbada celeste, firmamento.
         Região, segundo a crença religiosa, habitada por Deus e os anjos e onde estão as almas dos justos.
         Bem aventuranças, felicidade eterna. Grande alegria ou felicidade.
Aqui não existe ninguém que vive no céu. Pode viver por um período, mas não o tempo todo.
Então se existe a definição de inferno e céu, e se a definição de inferno se adapta à vida terrestre, quando morrermos vamos pro céu. Certo? Bem, isto é a minha opinião.
Em vários filmes, livros (A Divina Comédia - Dante Alighieri), relatos, Bíblia, o céu é sempre aquela coisa pacata, todo mundo sentado, descalço, com roupas esvoaçantes, muita flor, muito verde, uma brisa e só?
Será por isso que dizem que quem morreu descansou? Seria o descanso eterno?
Imagine você trabalhar a vida toda e viver eternamente no ócio, depois de morto? Gente, que tédio...
Deve haver outras coisas a fazer. O quê não sei, já que este texto é puramente fruto de minha imaginação.
Mas como temos livre arbítrio, e inteligência ou burrice, imaginação é o que não me falta!

terça-feira, 29 de março de 2011

Sem credibilidade

- A senhora está com depressão e síndrome do pânico!
Foi o diagnóstico que o médico me deu há alguns anos atrás.
- Eu vou te receitar homeopatia e retorno daqui a 3 meses.
E daí? Depressão do quê? Síndrome do pânico por que?
É difícil um diagnóstico desses, quando estamos acostumados somente a trabalhar e a cuidar dos outros.
Na verdade, depois da informação comecei a prestar atenção em algumas situações de minha vida. Eu simplesmente me deixei de lado e me enfurnei em casa. Simples assim.
Eu digo que é um sintoma sem a menor credibilidade porque quem convive com a gente pergunta o que disse o médico. Aí dizemos, e todos, simplesmente todos vêm com receitinhas:
- Sai mais, vai passear, não liga pras coisas não, arruma um namorado, entra na academia de novo, frequenta a igreja, etc.
Só não dizem onde é o botão on/off da gente pra simplesmente ao levantar a gente ser capaz de pensar:
- Bom, hoje eu vou me arrumar, vou passar batom, comprar umas roupas e passear no shopping. Depois eu ligo a depressão de novo.
O buraco é mais embaixo. A gente não consegue sequer atravessar uma rua. Qualquer motivo a gente chora, não se importa em comer direito, quer ficar só deitada assistindo tv ou olhando pro tempo.
Sério, não quero receitas infalíveis ou conselhos, às vezes só quero conversar, quero um colo, um cafuné, quero ficar quietinha perto de alguém sem dizer ou ouvir nada. Só isso...
Mas eu digo que o remédio fez algum efeito. Ainda tenho sequelas, mas quem sabe com o tempo isso passe.
Quanto ao síndrome de pânico, é mais complicado. A gente não sai de casa com medo de ser assassinado na rua, e aí, como ninguém nos conhece, ficamos ali como cachorros mortos, todo mundo passando e olhando aquele corpo desconhecido.
Tinha muito medo de meus filhos saírem e acontecer alguma coisa com eles. Se atrasassem uns 2 minutos já ficava apavorada, desnorteada. Hoje isso também já melhorou.
Mas o medo de ter ou conquistar alguma coisa ainda me apavora. Medo de me envolver e a pessoa morrer, medo de meus filhos simplesmente irem embora por não me amar mais, medo de não ter dinheiro pra comprar alimento, medo de vir alguém aqui em minha casa e me expulsar e eu ter que morar na rua, medo de ter uma amizade e essa pessoa sumir, não querer mais nem falar comigo. Pavor, pavor, pavor. Isso ainda permanece.
Criamos uma barreira de defesa caso alguma coisa  possa acontecer, já planejamos como será nossa defesa.
É estranho, é incontrolável. E eu sei que preciso me cuidar. Estou me cuidando. Mas tenho minhas crises, meus medos, meus pavores... Isso dói, porque a gente sofre. Realmente é incontrolável. Eu sofro sozinha...  É o momento solidão que tenho e que preciso ter às vezes pra raciocinar e voltar à vida.
O bom humor é um artifício que uso pra disfarçar minhas angústias.
Não quero me apegar a nada e nem à ninguém, por puro medo de perder, de sofrer, de chorar, de morrer.
Preciso de ajuda... Preciso de ajuda...

segunda-feira, 28 de março de 2011

Azul necessário

Dia desses, andando de circular - às vezes circular é pior que salão de beleza - andando de circular fiquei escutando, sem querer, eu juro, o papo do cobrador. Um senhor dos seus 70 anos - eu acho que é mais - bem magro, daquele tipo que fuma cigarro de palha, chapéu na cabeça (não estava de chapéu dentro do ônibus, eu apenas deduzi), óculos quadrado e pouco grosso, os dentes grandes e escuros.
E falava dos forró da vida, das muié da vida, da vida de viúvo, etc.
Silêncio no ônibus enquanto o tal discursava num convencimento que chegava a doer:
- Cê precisa vê, as muié num larga do meu pé, lá no forró... Dá até briga... Porque, uma coisa que sei fazer é dançá forró... É só encaixar na mulher, apertar bem forte a cintura e rodopiá... Homi do céu, só falta elas me beijá...
- Isturdia (outro dia), teve até briga... Rapaz, eu saí foi de fininho...
O ônibus pára e entra uma senhora dos seus também 70 anos - eu acho que é menos. Uma senhora com cara de forró... Tipo azeitona espetada em dois palitos, cabelo um pouco armado, preto, e óculos redondo de sol (made in china).
- Oi, Soizé, cumé que tá? Bão?
E se sentou no banco perto do cobrador.
E papo vai, papo vem, ele contando toda a lorota do forró, que era viúvo, que tinha a mulher que queria a hora que queria e etc...
E ela com aquele zoião de quem tá necessitando soltou:
- Cê não qué namorar comigo não, Soizé? Vai lá em casa hoje de noite...
Uia, não aguentei e disse...
Gente... Não teve um que não olhou pra minha cara e caiu na gargalhada!!!
E eu me levantei e fui sentar lá atrás, onde ninguém sabia da história.
Mas antes, escutei o cobrador dizendo pra 'moça':
- A, mas hoje não dá, eu tenho que i na casa do meu fio, vê meu neto, que deve de tá com saudade...
- Isturdia eu vô.
Sei, Soizé, sei... Aquele quadradinho azul que se compra na farmácia funciona, viu?



domingo, 27 de março de 2011

Perfume de Mulher

Recomendo...  

Simplesmente fantástico, fascinante, inesquecível.

Drama de 1992
Direção: Martin Brest
Elenco:     Al Pacino
            Chris O'Donell
            Gabrielle Anwar
            Philip Seymour Hoffman
Ganhador dos Prêmios - 1993
            Oscar: Melhor ator - Al Pacino
            Globo de Ouro: Melhor filme,  Melhor roteiro, Melhor ator - Al Pacino

Curiosidades: Al Pacino em sua preparação para viver um militar cego, recebeu ajuda de uma escola para cegos. Teve o cuidado de não focar os olhos em nada que estivesse em cena.
A cena em que Al Pacino tropeça e cai numa lata de lixo não foi planejada, foi um acidente mesmo.
Em outra cena, ele dirige uma Ferrari Testarossa... Fantástico!

A música em que eles dançam tango se chama 'Por una cabeza' de Carlos Gardel e Alfredo Le Pera.

Fonte: clique aqui


sexta-feira, 25 de março de 2011

Meu tesouro

Hoje vou pegar carona de outro blog que frequento, veja aqui qual o blog, e também falar de livros.
Fui de uma família simples, sem muitas condições financeiras e livro não dava pra comprar de jeito nenhum.
Mas desde o primeiro ano, com dona Ermelinda, a cartilha me fascinou... Apaixonei... Ficou intacta do começo ao fim do ano.
Nunca vi meu pai nem minha mãe lerem. Mas livro me fascinava. Tinha a biblioteca que eu ficava horas só olhando aquele monte de livros todos enfileirados. Foi paixão à primeira vista.
Hoje, psicólogos, psicopedagogos, professores e afins sempre em coro dizem a mesma coisa: "Incentive os filhos a ler, leiam pra eles, dê livros de presente, etc". Imagine no Natal ou aniversário o filho louco por um brinquedo e vem aquele livro. Pra mim, na infância seria o presente do século, mas hoje em dia não mais. Não concordo com o que dizem a respeito.
Quem gosta de ler já nasce com esse dom. E nunca mais larga. É como respirar...
Ainda no tempo de escola, eu já me virava pra arrumar dinheiro e comprar os livros pedidos. Eram aqueles baratinhos, vendidos em banca, Machado de Assis, José de Alencar, todos. Encapava com plástico, colocava meu nome, o ano em que comprei e guardava. Tenho todos eles.
E com o passar do tempo, sempre sempre adquiri livros. Hoje, tenho em minha estante livros belíssimos, clássicos da literatura... Sabe aqueles livros capa-dura, lindos, brilhantes, coloridos? Eu adoro ficar olhando pra eles. Morro de ciumes, não empresto pra ninguém. Não mexam nele que isso me irrita. É o meu tesouro material.
Gosto de ler tudo à minha frente. Se for texto pequeno, tudo ok, mas livro, ultimamente estou com certa dificuldade. Eu divago demais. Tenho que voltar sempre a página, ou então desistir e começar de novo. Não sei o que aconteceu comigo.
Mas uma mania estranha que sempre tive foi: eu começo a ler, vejo os personagens, vou pro último capítulo, vejo como termina e volto pro começo. É estranho, mas pra mim é normal assim. Deve ser ansiedade, não querer sofrer à espera do final, não sei...
Pena que meus filhos adolescentes não se apaixonaram assim... Pena... Não dão a menor bola... Não se importam. Minha filha até se esforçou pra ler aquela saga Crepúsculo, mas acho que parou na metade. Vou até perguntar à ela.


Olha só que lindos, são alguns dos meus tesouros.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Madame Tussauds

Pra quem não sabe Madame Tussauds - clique aqui - é aquele museu de cera que tem em Londres, Nova York, e em muitos lugares pelo mundo. As estátuas são perfeitas. Parecem até feitas com botox.
Alguém aí me explique que febre é essa do botox?
Parece que cada geração tem o seu artifício.
O que me vem à mente é a era das perucas, depois de muito tempo a era fitness - corpos musculosos, sarados, bombados, depois o silicone, a lipoaspiração e agora  e botox.
Começou humilde no seu cantinho, uma correção aqui, outra ali... e zás... todo mundo, independente de idade ou sexo, botox na cara.
Parece um vírus que se lastrou... Eu não sei o povo comum, como eu ou você, mas na tv praticamente quase todos estão plastificados. As atrizes não teem mais feição, mais emoção... Qualquer papel que façam, a expressão é a mesma. Espanto, tristeza, alegria, sempre a testa lisa, sem nenhum movimento e brilhante. Deus do céu, como brilha esse botox. Botoques, como diz Mário Prata. E eles aproveitam feriado, férias, ou qualquer outra coisa que tenha que ficar longe das telas por algum tempo, e quando voltam, lá está a testa brilhando.
Alguém por obséquio, dê uma situada nesse povo? Ou será que só eu acho assim?
Gente comum, sem ser público é difícil a gente ficar sabendo... Mas deve ter muitos também.
E quando as meninas ainda inventam de aumentar os lábios? Que isso? Aberração?
Não tem idade, meninas de 20 e poucos já com medo de envelhecer. E como também diz Mário Prata:
- O povo tem tanto medo de envelhecer que envelhece a cada 6 meses.
Sim porque o dito cujo dura só 6 meses.
Imagine você conhecer uma pessoa botoxada e de repente a pessoa fica ‘dura’ e não tem como mais colocar botox. Daí uns 7 meses você encontra a pessoa e vai dizer o quê?
- Nossa, o que aconteceu com você? Ficou doente? Meninaaaaaaaaaaaaa....

quarta-feira, 23 de março de 2011

UATARRÉLL???

BOL NOTÍCIAS - 22/03/2011 ÀS 16:51 HS.


Valesca Popozuda que tem 1 litro de silicone nas nádegas, ou seja, na bunda, coloca as mesmas no seguro no valor de 5 milhões.
Pra quem não se recorda, ela desfilou no carnaval vestida (pintada) de banana da cabeça aos pés.

POR MOTIVOS ÓBVIOS, SEM IMAGEM HOJE, OK?

Help!!!
Alguém aí me diz o que poderia acontecer com a bunda da moça?
Já viram alguma notícia  tipo:

- Grave acidente na Rodovia BR 153, deixa 5 mortos, 7 feridos e uma bunda danificada.
- Garota caminhava tranquilamente pela calçada, escorregou numa casca de banana, bateu a bunda e esta ficou tetraplégica.
- Foi detectato um novo tipo de lesão corporal: LFS (Lesão Por Ficar Sentada), provocando assim a síndrome a tão falada bunda quadrada.
- Atropelamento na Via Almeida Cruz: jovem foi lançada a 200 metros por trator agrícola, perdeu parte da bunda e agora tem a infeliz vida com meia bunda. Cientistas estudam prótese, mas tá difícil.
- Senhora insatisfeita com o "indo" coloca prótese de silicone na bunda, tem rejeição, retira e agora é obrigada a fazer plástica pra tirar o excesso de pele.
- Devido à lei da gravidade, pesquisadores lançam no mercado em 2028 um suspensório invisível pra segurar e levantar bunda caída.

UATARRÉLL????

terça-feira, 22 de março de 2011

Batatinha

Todos os anos, no Carnaval, vamos à praia. Esse ano fomos pro Guarujá.
Alugamos apartamento, um bando de gente, mas praia é praia. Como eu sempre digo, sol é a minha praia.
E as guloseimas que se come, as bobeiras, é tudo muito bom.
Num dia quente, estávamos todos e pedimos batatinhas fritas e catchup. E refrigerante de latinha.
Mal começamos a comer e chega até nós, meio acanhado, um menininho, de uns 5 anos, catando latinhas na areia.
Eu o observei e ele ficou me encarando pensando que ia levar uma bronca.
Chamei o menino, ele veio meio acanhado e lhe ofereci batatinha. Ele olhou pra trás e não pegou. Então, coloquei um punhado num outro pratinho de papelão e lhe entreguei: Pega, é seu!
Ele deu um sorriso, saiu correndo e eu o acompanhei com os olhos. Lá em cima, perto da calçada, uma senhora bem magra, com outra criança mais velha, carregava uma sacão de latinhas amassadas. O menino chegou até ela, lhe mostrou o prato e apontou pro nosso lado. Ela deu um sorriso, se abaixou e começaram a comer. O menino, vez ou outra a abraçava e ria muito e ela muito feliz, abraçava os dois e os beijava. Falavam alguma coisa e caiam na gargalhada. O pequenininho até rolava na areia.
Terminaram de comer, ela limpou a boquinha do pequeno e continuaram o caminho, ele correndo à frente dando saltinhos.
Eu, molengona como sempre, chorei de emoção ao ver aquela cena, aquele amor incondicional, aquela alegria que, não existe dinheiro no mundo que pague.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Conflito de valores

João Carlos Martins X Bruna Surfistinha

Sábado, programa Altas Horas...
De um lado João Carlos Martins que:
- Aos 8 anos ganhou o primeiro concurso tocando Bach, aos 11, estudava piano durante 6 horas diárias.
Venceu vários concursos mas, num jogo de futebol, aos 26 anos, teve um nervo rompido e perdeu o movimento da mão direita.
Enfrentou vários tratamentos, incluindo cirurgias, recuperou parte dos movimentos mas desenvolveu LER (lesão por esforço repetitivo).
Parou de tocar, mas a paixão falou mais alto e voltou a tocar usando a mão criando um estilo único.
Em um assalto sofreu um golpe na cabeça e perdeu os movimentos da mão novamente. Sentia dores terríveis.
Pensou em parar, mas novamente criou seu estilo de tocar apenas com alguns dedos.
Em 2003, não podendo tocar mais de jeito nenhum, foi convidado a reger. Aos 63 anos estudou para a regência.
Incapaz de segurar a batuta ou virar as páginas, memorizou nota por nota de cada concerto.
Hoje, além de reger, trabalha com jovens carentes na Faculdade de Música da FAAM.

Fonte: http//:pt.wikipedia.org/wiki/joão_carlos_martins

De outro lado Raquel Pacheco que:
Teve a sorte de ser adotada por pais classe média alta de São Paulo.
Estudou nos melhores colégios, fala línguas, vida de princesa, tudo que uma pessoa precisa pra não fazer feio na vida.
Não se achava a mais popular da escola, não se achava sensual, se achava feia, ficou revoltada por ter sido adotada e foi ganhar a vida nas ruas.
Não fala mais com os pais adotivos, mas já escreveu 3 livros e acabou de fazer um filme sobre sua vida na orgia, como prostituta. Vida difícil, como ela mesma diz. Afinal prostituição é uma profissão, a mais antiga da humanidade.

Também estavam no programa Ney Matogrosso, Seu Jorge e Maurício Ricardo (chargista do BBB).

O que me intriga:
Mas é claro que Bruna Surfistinha vai fazer sucesso... É lógico que vai lotar sala de cinema... É óbvio que vai estar na mídia por longos tempos... Afinal tudo que é tabu, sexo, orgia, pornografia, interessa pra todo mundo (?)
Agora, sentar ao lado de uma verdadeira celebridade, de um gênio, de um ser iluminado que tem tudo o que mostrar de bom, um exemplo a ser seguido... Ah, me desculpem, não engoli.
Ainda existem seres que são iluminados, como é o caso da Beija-Flor que foi campeã com o tema João Carlos Martins... Nada mais merecido. Falta um filme, um verdadeiro filme pra contar a vida desse homem, um bem caprichado pra concorrer ao Oscar e de preferência, ganhar o Oscar.
Quanto a Bruna Surfistinha, o filme... Bem... Não vou assistir e nem me interesso pelo assunto. Deixa ela lá curtir sua fase celebridade. Mudo de canal ou não vejo a matéria na internet.
Pra mim tá de bom tamanho.

domingo, 20 de março de 2011

Hoje é domingo

Hoje é domingo, e como todo domingo... chatérrimo!!!
Como diz minha filha:
- Domingo só serve pra gente ficar reclamando o quanto o domingo é ruim.
Segundo o calendário, é o começo da semana - pior jeito impossível de começar a semana.
Como estou acostumada e gosto de trabalho, movimento, agilidade, o domingo você geralmente dorme até mais tarde, quer dizer, quem consegue dormir, porque eu tenho o péssimo hábito de ter insônia, de acordar várias vezes durante a noite, abrir os olhos às 4 da matina e não fechar mais. Aí o dia fica longo...
Depois, você levanta e aquele silêncio... medonho... rua deserta... portas fechadas... chuva... frio... e o pior de tudo, falta-de-dinheiro-pra-ir-a-algum-lugar-se-distrair.
Pronto! Resolvido!
O jeito é ir pro fogão - aquele que não vai com a minha cara, que conspira contra a minha boa vontade - ver se sai alguma coisa. Uma macarronada meia boca, com molho de sachê comprado pronto, queijo parmesão  ralado comprado pronto de saquinho, um refrigerante light e goiabada com queijo, porque ninguém é de ferro.
Ligar a tv e se aventurar nos canais até se cansar e afundar os botõesinhos do controle remoto à procura de algo que preste. De manhã até tem o Esporte Espetacular, mas depois, desista...
Canal pago também parece que não acordam no domingo. Nada que preste.
Ou seja, domingo é o dia do nada, da preguiça, de ficar calado, de resmungar, de ficar abrindo a geladeira de meia em meia hora pra ver se alguma coisa apareceu lá como num passe de mágica.
Como é que se começa a semana num marasmo desse? Num tédio medonho?
Engraçado que creio eu, quando não se tem nada útil pra fazer, o que se tem pra fazer a gente acaba não fazendo... Será que fui clara? Quando tenho que fazer o dia durar 25 hs. ainda me sobra tempo pra fazer algo supérfluo... Quando eu vejo que tenho tempo de sobra, eu não faço nada de nada.
Aí chega a noite e tudo piora. Existe coisa mais chata do que a música do Fantástico? E do Faustão então? Existe coisa pior do que música dos programas de domingo?
Bom, como só Deus é eterno, o domingo termina e finalmente vem a segunda. Eba!!!
Pra todos vocês um ótimo domingo e uma excelente semana!!!

sexta-feira, 18 de março de 2011

Crueldade Feminina

Eu recebi esse email e achei interessante... Ah, que maldade!!!

AUTORIA DESCONHECIDA

Como se chama um homem inteligente, sensível e bonito?
- Boato.

O que deve fazer uma mulher quando o marido corre em zigue-zague pelo jardim?
- Continuar a atirar.

Pesquisadoras descobriram porque Moisés ficou andando 40 anos no deserto com o povo de Israel:
- Um homem nunca pergunta o caminho.

Qual é a semelhança entre as nuvens e os homens?
- Quando vão embora, o dia fica lindo.

Por que os homens não têm período de crise na idade madura?
- Porque nunca saem da puberdade.

Qual a definição masculina de uma noitada romântica?
- Sexo.

O que se diz de um homem que quer sexo no segundo encontro?
- É particularmente lento.

Qual é o ponto em comum entre os homens que frequentam bares para solteiros?
- Todos eles são casados.

Como saber se um homem está mentindo?
- Seus lábios se mexem.

Como um homem chama o amor verdadeiro?
- Ereção.

Qual a semelhança entre o homem e o golfinho?
- Dizem que ambos são inteligentes, mas nunca se provou.

Por que as mulheres não querem mais se casar?
- Porque não é justo. Imagine, por causa de 100 gramas de linguiça ter que levar o porco.

Qual a semelhança entre o homem e o micro-ondas?
- Aquecem em 15 segundos.

Qual a semelhança entre o homem e o caracol?
- Ambos tem chifres, babam e se arrastam. E ainda pensam que a casa é deles.

Por que não existe um homem inteligente, sensível e bonito ao mesmo tempo?
- Porque seria mulher.

Antigamente quando uma moça conhecia um rapaz gentil e educado perguntava logo se era solteiro...
- Hoje, pergunta se é viado... ou casado.

Qual a semelhança entre um homem e um pão de forma?
- São quadrados, moles e fáceis de dobrar.

Qual a semelhança entre os homens fiéis e os dinossauros?
- Ambos estão extintos.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Chatos de plantão

Pra todos aqueles chatos de plantão que mencionei no post passado e mais alguns aí disfarçados, espero que vão todos...

A letra da música não fala sobre isso, mas o lugar é o mesmo...

terça-feira, 15 de março de 2011

Gente chata, insuportável...

Sabe aquele tipo de pessoa que ninguém aguenta ficar perto? Sempre pessimista? Que não suporta te ver com um sorriso?
Essa gente chata que não se suporta e despeja em cima dos outros todo   o seu podre, todo o seu lixo.
E sempre, sempre encontra quem carregue todo esse podre... Geralmente pessoas de bem, que não veem maldade em nada e nem em ninguém, inocentes funcionais.
Grande parte de minha vida eu convivi com gente assim. E eu sempre fui muito inocente nesse ponto, sempre acreditei no melhor da pessoa. Achava que se eu fizesse o bem, receberia o bem... Engano!!!
A pessoa gruda em você, te ouve, te 'ajuda', te apoia e booommmm... Rasteira....
São pessoas próximas, que convivem dia a dia com você, que sabe seus horários, sua rotina, e sempre está lá à espreita pra dar o bote. Vampiros... Malditos... Infelizes... Chatos... Insuportáveis...
E nós na maior inocência, aceitamos tudo, carregamos tudo nas costas, todo o podre, todo o lixo despejado...
Passamos a acreditar no que ouvimos, tomamos como exemplo, nos sentimos até burros por não ter enxergado dessa maneira. Somos dominados por palavras... Será que somos tão ingênuos assim? NÃO, NÃO SOMOS... A pessoa vampira que é ruim, mal caráter.
Geralmente aparecem sempre boazinhas, prestativas - desconfie dos bonzinhos, prestativos... Pessoa normal é aquela que tem idéias próprias, que discorda, que discute, que fala o que pensa...
Consegui me livrar - eu acho - de pessoas vampiras. Hoje nem sequer me lembro de sua existência, mas foi um choque enorme saber a verdade. Dói, destrói, corroe, mata, dilacera o coração.
Continuamos com a mesma felicidade de sempre - pra desgosto dos vampiros - com o mesmo bom humor, com a mesma força, só que depois que nos livramos 'disso', enxergamos melhor e ficamos sempre com um pé atrás.
Como lidar com gente pessimista, vampira? Escute calmamente tudo o que dizem, concordem ou discordem, virem as costas e só, continuem felizes...

Amostra Grátis - Deixar recado nos comentários para obter amostra.

TPM

Quem tem sabe como é. É incontrolável, insuportável, horrível, dolorido, e uma vontade louca de esganar alguém.
Quando meus filhos eram ainda pequenos – 4 Amanda e 2 Leonardo  - a cretina me atacou.
De manhã, só pra começar, a maldita toalha na cama... Mas que inferno, será que não tem mão pra colocar no lugar?
Depois todas aquelas tarefas chatíssimas de casa e as crianças acordadas, gritando, pulando, ou seja, sendo crianças.
E pra eu ter um pouco de paz, arrumei umas revistinhas pra eles verem os desenhos. Funcionou.
De repende, do nada, me aparece Amanda: mãe, o que é isso?
- É um joguinho de montar, onde tem esses encaixes aqui que juntando com os outros formam um BRINQUEDO, depois você pega este outro e coloca no outro lugar e monta a estrada, aí tem os carrinhos que você tem que unir os números, formar uma caixinha e aí você faz os carrinhos, tem essa outra parte aqui que eu vou ler depois eu te falo. Só sei que é uma estrada que vai dar lá numa fazenda.
Nem sei como consegui falar tudo aquilo, e os dois, agora Leonardo também estava prestando atenção.
- Certo? Perguntei.
A menina fez que sim com a cabeça. Saíram pra brincar e ouvi Leonardo perguntar pra irmâ: o que é isso?
- E ela sem pestanejar: É UM BRINQUEDO, UAI!

segunda-feira, 14 de março de 2011

Anjos que nos aparecem

Muitos questionam a existência de Deus. Se ele existe, onde o encontramos?
Nas pessoas... Deus, através das pessoas, passa o seu recado. Bem, é o que eu acho e já presenciei isso.
Certa vez, indo buscar meu filho na escola que ficava perto de casa, caiu um temporal. Daqueles de arrancar árvores, com trovões, relâmpagos, ventanias e tudo a que tinha direito.
E eu no meio do caminho, não tinha onde me esconder. Fiquei debaixo de uma árvore - o que todo mundo sabe que não se deve fazer isso - mas não tinha outro lugar senão aquele.
Apavorada, comecei a orar e o portão em frente a arvore se abriu. Era a dona da casa, que abriu o portão pra ver a chuva... Vendo-me ali, sozinha, rua deserta por causa do temporal, me chamou que entrasse. Agradeci e entrei. Comecei a observar... Ela abriu o portão pra ver o temporal... Mas a casa dela tinha um grande quintal, que de dentro da casa dava pra ver o temporal.
Esperei que parasse, agradeci e fui embora.
Agora, numa rua sem muito movimento, debaixo de um temporal, somente eu na rua, como é que justamente aquela pessoa, daquela casa abriu o portão? Coincidência?
Numa outra ocasião, eu numa crise de depressão e pânico, a única coisa que eu conseguia fazer era chorar, chorar, chorar. Eram crises que duravam semanas...
Bateu em minha porta uma mulher oferecendo produtos por catálogo. Como não tinha condições de nada, dispensei.
Dois dias depois ela retorna, bate em minha porta de novo e pergunta como eu estava, se não queria ficar com o catálogo "sem compromisso". Fiquei.
Mas aí, papo vai, papo vem, e nos conhecemos um pouco mais. Ela morava no mesmo bairro, apesar de nunca a ter visto por lá.
Com esse papo nosso, parece que me distraí um pouco e naquele dia não chorei.
Dias depois a crise continuou... e a mulher volta pra buscar o catálogo. Abri a porta e ela, com um botão de rosa na mão, a primeira coisa que me diz:
- Vim aqui só pra lhe dar essa rosa... É do meu quintal... Jesus te ama muito... E está sempre do seu lado...
Pegou o catálogo, foi embora e eu nunca mais a vi.
Mas aquelas poucas palavras, aqueles segundos de atenção que ela me deu, devolveram um pouco da fé que eu tinha perdido. Um fato do acaso?
Quem lê a Bíblia sabe do que eu estou falando. Nunca ninguém viu Deus... Mas ele está presente em nós, de uma forma ou de outra.
Graças a Deus!

domingo, 13 de março de 2011

A Fé

Fazia um bom tempo, mas hoje fui à missa. E presenciei um ser humano fazendo uso de seu dom lindamente: Frei Mazon. Eu não sei quem inventou ou disse que padre ou freira tem que ser sempre sóbrio, sempre sério, fazendo aquela cara de religioso, falando cantando... Mas Frei Mazon é um tipo comum, extremamente bem humorado, fala simples que todo mundo entende e que a celebração não fica aquela coisa entediante... como uma missa comum. Gostei!
E lá vou eu com minha cabeça divagadora, a dar meus palpites e a questionar o Universo.
Uma das leituras de hoje: Gn 2,7-9; 3 1-7, fala de Eva que comeu a maçã no paraiso e levou toda a humanidade às ruinas. Agora divago... E se Eva não tivesse comido a maçã? Será que teríamos o conhecimento que temos hoje? Será que viveríamos todos pelados, sem pudor? Será que não seríamos tão curiosos a ponto de descobrir o fogo, a roda, a energia elétrica, a teoria da relatividade?
Sim, porque segundo a Bíblia, a árvore que não se podia comer o fruto: "Mas Deus sabe que, no dia em que comerdes do fruto, vossos olhos se abrirão e vós sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal". Então... Será mesmo que foi um mau negócio o que Eva fez?
Se hoje aqui fosse o Eden, o Paraíso, não teríamos sofrimento, e eu acho também que a Terra não seria tão populosa, pois os casais só se tocavam pra procriar... Sexo com prazer? Não teria jamais...
Se não houvesse sofrimento, também não saberíamos como é o alívio, a paz, a felicidade que vem logo após uma derrota, uma luta...
Amaríamos todos sem distinção, sem preconceito, sem vergonhas... Gente!!! Que tédio!!! Como é bom conhecer pessoas diferentes, discutir, concordar, discordar, aprender, ensinar, ignorar, ajudar, pedir colo, sonhar, conseguir, lutar, vencer...
Não tenho a mínima idéia de como seria uma vida sem sentir saudades e lá na frente da vida, matar essa saudade com um forte abraço, um beijo, um choro...
Não saberíamos como é a dor... Tomar injeção? Não mais! Então será que não existiria a medicina? A ciência? E o que o povo faria com todos esses dons que Deus nos concede? Como Frei Mazon faz uso maravilhosamente?
Mas por outro lado, não teríamos guerras, nem assassinatos, não existiriam Usinas Nucleares, nem armas, nem tráfico, nem suicídio, nem corrupção, nem orgulho besta, nem ódio infundado, nem doenças, nem bocas malditas que falam o que não devem e que machucam tanto a gente...
Frei Mazon, no final, nos perguntou se compraríamos um quebra-cabeças de mil peças faltando uma peça... E se daríamos de presente o mesmo quebra-cabeças... Eu entendi que na verdade nossa vida é esse quebra-cabeças, e a peça fundamental é Deus. Ele está sempre ali... É só chamarmos e ele nos atende... Mas não o que queremos, mas o que necessitamos... Deus é sábio e é nosso Pai, e como pai nos educa para o nosso bem, mesmo que achamos injusto isso ou aquilo, mas ele é Pai e sabe das coisas. Olhar em volta, vida simples, cabeça leve, pensamentos positivos, e Deus sempre, sempre, sempre...




sexta-feira, 11 de março de 2011

Mulheres - Vó Dida


À minha querida vovó Dida.
Com todo o meu carinho, dedico esse dia à ela, minha avó materna, doce em pessoa.
Que me ensinou desde pequenininha os segredos da vida.
Que me abraçou, me beijou, me deu carinho, balas, doces, pão caseiro
Que um dia me ensinou a fazer o pão caseiro, mas só ela tinha aquelas mãos capazes de colocar aquele aroma e aquele sabor naquele pão.
E que junto com o pão fazia pra nós netos um chá delicioso, docinho... Que mais tarde descobri que não passava de água fervida com açúcar.
Que sempre vinha com um sorriso ao meu encontro, quando eu chegava à sua casa e me chamava de negrinha - a única neta com apelido.
Que cuidou de meu avô até seus últimos minutos de vida.
Que aguardou sem reclamar, um filho construir uma casa nos fundos pra que ela não ficasse mais sozinha.
Que me contava histórias fabulosas de sua juventude, junto com meu avô.
Que, apesar de ser tão pequena, gerou 7 filhos parrudos.
Que bordava coisas belíssimas, que eu tenho como recordação.
Que sempre chorou sozinha, depois de viuva, sem que ninguém percebesse, só pra não incomodar ninguém.
Que falava baixinho, que ria baixinho, que caminhava devagar sem fazer barulho.
Que não falava onde lhe doía, pra não ter que incomodar em levá-la ao médico.
Que, quando recebia a pensão, sempre comprava alguma lembrancinha pra algum fillho.
Que sempre me aconselhou, apesar de nunca a ter ouvido e obedecido.
Que sempre foi esse doce de pessoa, tão simples, sem a escrita e sem a leitura, apesar de netos formados professores.
Que mesmo sem leitura, sabia o número do telefone de todos os filhos, caso precisasse e caso sentisse saudades.
Que mesmo antes de sua partida, não deu trabalho, não reclamou, não chorou, mesmo à caminho do hospital, mesmo com dores, aquele sorriso estampado no rosto sempre estava lá.
Hoje ela não está mais aqui... E a saudade aperta... Dói... É cruel...
Mas eu me orgulho, que apesar de ter tido uma pessoa maravilhosa como avó, apesar de ter fobia a doenças, cuidei, acompanhei minha avó enquanto estava lá no hospital sendo muito bem tratada pelas enfermeiras e médicos.
Mas aos 84 anos, se foi... E deve estar ao lado de seu amado, o meu avô.
Vovó Dida, eu te amo eternamente!


Erasmo Carlos - Mulher, mulher...







quinta-feira, 10 de março de 2011

Devassa

Sandy Devassa?
Hmmmmmm, sei não... Não colou mesmo!
Carinha de anjo, jeito de princesinha e completamente patricinha... Bebendo cerveja? Ah, não rola!
Sempre colocam gostosonas em comercial, poderiam colocar uns saradões também, né?
Ultimamente mulher bebe, mas homem bebe mais, fica  completamente embriagado...
Sem dúvida nenhuma, é o público alvo de campanha de cerveja. Mas Sandy?
Sinto muito, mas não deu!!!
Se fosse chá verde, ok, ia caber certinho... Mas a princesinha já declarou seu amor ao champagne.
Já vi homens mudarem a marca da cerveja só por conta de mulheres gostosonas... Tipo Juliana Paes.
Tenho um amigo que fez isso... Trocou não sei quem pela Juliana Paes... É assim mesmo que falam, os homens:
- Me dá uma Juliana Paes aí...
Agora, me diz, quem trocaria não sei quem pela Sandy?
Gosto duvidoso... Picolé de chuchu, água de salsicha...
E não adianta ela achar ruim... Foi essa a imagem que sempre passou  pra gente...
Trocaram Paris Hilton por Sandy... Hmmmm, sei não...

Mulheres - Mães


À todas as mulheres mães.
À todas as mulheres adolescentes e já mães, que por querer ou sem querer, ainda meninas brincam de boneca e de bebê.
À todas as mães que programaram sua gravidez
À todas as mães que optaram por criarem bem mais tarde, quando estivessem estabelecidas profissionalmente, e que, por apaixonarem por seus filhos, abandonaram tudo em nome do amor incondicional.
À todas as mães guerreiras, que trabalham em 2 turnos, um no trabalho e outro em casa pro sustento de seus filhos.
À todas as mães, que mesmo abandonadas ainda grávidas, mesmo sofrendo preconceitos, geraram e pariram.
À todas as mães que até hoje tentam engravidar e não conseguiram.
À todas as mães que por ignorância, pariram um filho em cada ano, às vezes um de cada pai.
À todas as mães que pariram pra garantir pensão alimentícia.
À todas as mães que optaram por adotar uma criança.
À todas as mães que optaram por adotar várias crianças.
À todas as mães, mulheres, amadas, amantes, que dão conta de tudo e mais um pouco!


Roberto... Ah Roberto... Não faz isso com a gente... Outra vez....




quarta-feira, 9 de março de 2011

Tecnologia

Vejam só o que é a tecnologia...
Falo isso porque não sou tão craque ainda nesse mundo... Mas é fascinante!
Lá pros meados de 1985 (longe pra dedéu) eu já fui craque.. Na época do DOS. Se é que alguém sabe o que é DOS. Isso foi antes do Windows.
Bem, então agora estou eu cá nas teclas fabulosas. Ainda apanho um pouco, mas sou curiosa e fuço em tudo, estrago muita coisa, apago o que não devo, copio um arquivo e ele some porque não consigo saber onde ele foi parar...
Primeiro comecei a fuçar nos blogs, depois comentar - ah, isso eu gosto... palpite é comigo mesmo!
Depois inventei de querer o msn. Aí tive ajuda da filha adolescente... Mas como toda adolescente, não tem paciência com quem não sabe (?!). O jeito foi ir fuçando até aprender na marra.
Gente, que linguagem é essa do msn? Eu não consigo entender quase nada: naow, ouw, nn, pow, etc... E a risada então: ashuashuashua,,, auhauahahaua. Gente de Deus, quem é que ri assim? Quem inventou isso?
Por falar nisso, no blog também se você não colocar a risada: rsrsrsrs, hahahaha. hehehe, kkkkkkk, você geralmente é mal interpretado. Já aconteceu comigo... Me chamaram até de 'loira e analfa funcional'. Choquei com isso... Mas quem vê letra não vê cara, não é mesmo?
Depois achei que podia fazer um blog. E aqui está ele. De vez em quando alguém vem e lê. Ótimo, espero que gostem. Ainda estou me adaptando... Mas já já me acho na escrita também. Vivendo e aprendendo.
Aí inventei de fazer o Facebook. Primeiro a pergunta: O que você está pensando agora?
Mas que diabos querem saber o que eu penso ou deixo de pensar? Dane-se o que eu penso.
E tem um campo lá de achar amigos... E eu achei um querido amigo que não via desde a época da Faculdade. Ah! Que saudades...
Que tempo maravilhoso o universitário... E passa tão rápido que você nem percebe. Agora que o achei, quero conversar muito e saber como vai e etc.
Resumindo: gente, que maravilha é a tecnologia. Eu que nem celular tenho, agora comento em blogs, tenho o meu próprio, tenho Facebook e o que virá? Não sei... Ainda estou fuçando... E aprendendo... E adorando...

Mulheres - Trabalhadoras

À todas as mulheres trabalhadoras...
Às mulheres ainda meninas que deixaram a escola pra trabalhar e ajudar no sustento da família
Às trabalhadoras moças que estão no primeiro emprego, conseguido à duras custas, mas são competentes e dedicadas.
Às trabalhadoras da roça, do campo, das fazendas,.
Às trabalhadoras que destemidas, aprenderam o ofício que antes era predominantemente masculino: pedreiras, azulejistas: bombeiras, mecânicas, motoristas, atletas, empresárias, fazendeiras, etc.
Às trabalhadoras que deixam seus filhos trancados em casa, por falta de creche, e vão ganhar seu sustento cuidando dos filhos dos outros.
Às trabalhadoras do serviço público que estudaram dias a fio, pra ter um emprego garantido até a aposentadoria.
Às trabalhadoras que com o dom aflorado, sustentam dezenas de filhos, trabalhando, fazendo bico, em casa.
Às trabalhadoras do setor médico, tanto enfermeiras, como auxiliares, como médicas, que dispõem de um carinho absurdo à aquelas pessoas moribundas e seus familiares.
Às trabalhadoras artistas que de um jeito ou de outro nos emocionam.
Às trabalhadoras que antes órfãs, não foram premiadas com uma família, mesmo assim teimam em viver, sozinhas.
Às trabalhadoras que sofrem preconceito, por ocuparem um cargo de chefia e por serem mulheres tem o seu salário reduzido.
Às trabalhadoras que sempre tem jornada dupla: uma em casa e outra no trabalho.
Às trabalhadoras, que mesmo abandonadas pelos maridos, seguem dignas no sustento de seus filhos.
Às trabalhadoras que contribuem com o crescimento do país, pagando impostos, mesmo que contrariadas.
Às trabalhadoras que arriscaram um negócio próprio e lutam por anos por um reconhecimento. E conseguem. Ou desistem e partem pra outra.
Às todas as trabalhadoras dignas, capazes e mulheres!


Wando... sempre Wando... meu iaia meu ioio....



terça-feira, 8 de março de 2011

Mulheres - Nossos homens


Aos homens!!!
A todos os homens que desde pequenos aprenderam a nos respeitar.
A todos os garotinhos que na escola não gostavam de meninas, porque as achavam chatas demais e que não sabiam brincar.
A todos os meninos, que já na pré-adolescência, começam a nos enxergar com outros olhos... A primeira paixão, o primeiro olhar, a timidez, o amor platônico pela professora e o encantamento com as revistas masculinas proibidas pra menores.
A todos os meninos que começam a mudar a voz, a ter o estirão - que crescem em questão de meses, e que às vezes ficam parecendo um pirulito (magro e com a cabeça grande).
A todos os garotos que dão o primeiro beijo, que nos cortejam, que nos mandam bilhetinhos, que roubam um botão de flor só pra nos presentear, que espalham pra toda a turma que estão namorando a menina - mas ela muitas vezes nem sabe da história.
A todos os mocinhos, com a barba espetando e pernas cabeludas, que começam o namoro, muitas vezes chiclete, muitas vezes cafajeste, muitas vezes doce como um suspiro.
A todos os jovens quase adultos, que já trabalham e estudam, que já se formaram, mas sempre procurando a nossa companhia, sempre gentis, sempre nos amando e às vezes sempre nos traindo.
A todos os homens que encontraram sua alma gêmea, constroem uma vida juntos, procriam, formam família e se tornam nossos parceiros até que a morte nos separe.
A todos os homens que nos aturam,  ignoram nossas estrias, celulites e TPMs, que fingem que nos ouvem, que nos agridem com palavras seguidas de um perdão.
A todos os homens que nos mandam flores e bombons, que abrem a porta do carro, que sempre nos elogiam, que sempre nos convidam a um passeio.
À todos os homens que nos oferecem o colo e os ombros pra chorarmos e lamentarmos... E ainda nos fazem cafuné na cabeça até nos acalmar.
À todos os homens que economizam nos carinhos, nas palavras doces, nos gestos gentis por medo de se entregarem... Porque acham que se entregando nós vamos humilhá-lo... Bobagem meninos, nós adoramos paparicos.
À todos os homens que acham que tamanho é documento... Besteira! Nós gostamos do conjunto da obra e não de um membro isolado.
A todos os homens que nos respeitam, nos amam, que juram amor eterno e que morreriam se não nos tivessem.
A todos os homens que por um vacilo perderam suas amadas, seus amores e carregam pelo resto da vida essa dor.
A todos os homens já idosos, que são verdadeiros pais para suas esposas já doentes, e que como juraram amor eterno e fidelidade, cuidam com carinho e amor da amada até a morte.
A todos os homens que mesmo sem nos entender - imagine, somos tão previsíveis, teimam em viver ao nosso lado!


Chico Buarque mostrando todo o seu 'eu feminino'... Obra de arte... E esses olhos... Meus Deus, que olhos são esses? 


                                                                                                                                                        

segunda-feira, 7 de março de 2011

Mulheres - Amantes... Esposas

Semana da mulher!!!
À todos os bebês do sexo feminino que um dia irão crescer e  encantar o mundo.
À todas as crianças-meninas que brincam de boneca e de casinha na inocência do mundo da fantasia, como um treino pro futuro, onde, provavelmente irão parir outras crianças-meninas pra perpetuar a espécie.
À todas as adolescentes meninas-moças, que teimam em ficar na infância, mas já com um pezinho na vida adulta, estudantes, alegres, vivas, com emoções à flor da pele.
Às jovens garotas, sedentas de viver em abundância, querendo ganhar o mundo a que preço for, se achando destemidas e imortais.
Às mulheres que encontraram sua cara metade, se uniram e procriaram, tendo que abrir mão de seus próprios sonhos, se dedicando a amar e educar suas crias, mas sendo assim felizes.
Às mulheres apaixonadas, amantes e amadas, que vivem em função do prazer, do sonho, da vida livre, do amor incondicional, que optaram por viver sozinhas mas não solitárias, e que, com o passar dos anos, colecionaram inúmeras amizades, algumas verdadeiramente sinceras e também alguns inimigos infelizes.
À todas as mulheres que por ser mulheres, sofreram preconceitos, humilhações, calúnias, difamações e mesmo assim nunca deixaram de ser batalhadoras, dignas, respeitosas, donas de seu próprio destino, que por conta de hormônios mais parecidos com uma montanha russa,  procuram o que todos querem: a felicidade!



E como é carnaval, unindo o útil ao agradável, Neguinho da Beija-Flor e suas mulheres mil!!!

sábado, 5 de março de 2011

Carnaval

Vendo toda essa muvuca de carnaval, essa alegria, esse colorido, essa festa maior do Planeta não deixo de lembrar de minha adolescência e o primeiro carnaval que fui.
Naquele tempo eu era comportada, mas um pouco voltada pra revolta. Quer dizer, comportada até a página 2. Quando queria alguma coisa, queria porque queria e ninguém me segurava. E aos 18 anos eu já me dava o direito de ir e vir onde bem entendesse. Papai não gostava muito... Era aquele tipo caladão que o máximo que dizia era:
- Não, porque não pode!
E é aí que começou minha revolta:
- Mas por que não? A cidade inteira vai... Que mal tem nisso?
- Não vai!
Isso foi no começo de Fevereiro e o carnaval era no final. O clube era o mais famoso de minha cidade e no centro da cidade. Então que mal há?
Então tá. Continuei vida normal, trabalhava e estudava... Era "dona" do meu narizinho empinado.
Chegou! A cidade fervia... E na primeira noite, toda pomposa, nariz em pé, me troquei e passando pela sala, lá vem:
- Onde você vai?
- Vou no salão... No carnaval... O senhor se esqueceu?
- Mas com essa roupa você não fica nem no quintal!
A roupa: short curto (curtíssimo, quero dizer), blusa comportada até, tênis e maquiada.
- Onde já se viu sair na rua com esse short... Você não vai!
Por um instante fiquei olhando pra cara dele e pensando: "Será que ele quer que eu vá de calça jeans e cacharrel?"
E eu ainda tinha um certo medo dele... Arma de pai é o grito (do meu, quero dizer). Ele sempre gritava pra se impor.
Tudo bem, voltei pro quarto e chorei, chorei, chorei, parei.
Saí de novo pra sala e falei:
- Olha, pai, não vai dar pra não ir... Eu já comprei o pacote pras cinco noites... Não vou sozinha... E paguei quase com meu salário todo (?!)... Então tô indo... Não se preocupe... O clube é ali pertinho... Todo mundo vai estar lá... Aquele seu amigo Batista vai estar lá com as filhas... Então não tem problema... Tchau!
Sai tranquila e fui. Com medo dele me agarrar pelos cabelos e me dar uns tabefes. Mas fui tranquila.
Fiquei alucinada, não parei um só segundo. O clube lotado...
Mas depois desse dia o encanto quebrou... Foi o primeiro e único carnaval que fui...
Não me lembro exatamente o que aconteceu. Mas não tive mais vontade de ir. Será que é porque sou roqueira? Ou será que não gosto muito de muvuca... De gente me encostando? Ou será enjoamento mesmo?
Questão de gosto. Fui, me acabei no carnaval e está de bom tamanho.
Que alívio pro papai!!!

sexta-feira, 4 de março de 2011

Mulher

Hoje começa o carnaval...

Semana que vem tem a semana da mulher...

E todos os dias vou fazer uma homenagem a nós... guerreiras femininas!

Enquanto isso, uma prévia do que está por vir. Até!




E música sempre é bem vinda! Roupa Nova...


quinta-feira, 3 de março de 2011

Bruna...

Surfistinha... O Filme.
Não vou ver! E nem preciso pra tirar minhas conclusões.
O Brasil é estranho mesmo... Depois reclamam que não conseguem ganhar o Oscar. Ora, bolas! Tenham paciência.
Quer dizer: uma menina abandonada pelos pais, é adotada por pessoas bem de vida, estuda nos melhores colégios, tem excelente formação, roupas de grife, glamour, e... Fica revoltada porque descobriu que foi adotada, sai de casa pra fazer o que sempre gostou... a orgia? A vida fácil?
Não conheço a Raquel, Bruna Surfistinha. Não estou criticando a pessoa e nem a atriz que a interpretou no cinema. Apenas estou falando do roteiro do filme, da história que se dispuseram e gastaram pra rodar.
Tem coisas que não entendo. O que acontece? Tantas pessoas interessantíssimas, com histórias fabulosas e vão pegar logo essa história que não diz nada pra ninguém?
Não serve nem pra distração... Pra divertimento...
Pra mim tanto faz a história de Bruna Surfistinha ou de Fernandinho Beira-Mar. Não assisto e não quero saber!
Que as meninas-mocinhas tenham juizo suficiente pra, se assistirem - e eu acredito que vão - comentem bastante e depois esqueçam!

quarta-feira, 2 de março de 2011

Simples assim...

A gente complica demais... Dá valor a picuinhas ridículas... Valoriza quem não merece... Vive o ontem e o amanhã... E se esquece que hoje é sempre um presente de Deus!!!


           SEJA FELIZ IMEDIATAMENTE!!!!!!!!



Maktub II

Ainda sobre a novela O Clone, o casamento de Latifa e Mohamed, um glamour.
Antes do acontecido, exame para comprovar a virgindade da moça, dote que o moço paga ao pai da moça e depois do casamento a noite de núpcias. Na casa dela, com todos lá na sala ouvindo tudo. Primeiro ele lava os pés da esposa... uau! Depois...
Aí na manhã seguinte, antes de abrirem os olhos, a família inteira entra no quarto cantando, dançando e procurando a mancha de sangue na cama - pra comprovar a virgindade. Isso é o costume lá.
Mas aqui mesmo no Brasil, mais precisamente em minha cidade,  em minha casa,  no meu casamento, isso aconteceu!
Pois é... Primeiro foi o casamento - mas não precisei fazer o exame de virgindade, nem o marido precisou pagar dote, mas o resto... só mudou o endereço.
Bem, primeiro foi o casamento, depois a festa e fomos pra primeira noite - não na casa de ninguém.
No outro dia quando fomos pra "nossa casa", adivinhe quem estava lá dentro? A família dele inteira...
- Nós viemos aqui ajudar a arrumar as coisas.
Tinha irmãs, tias, primas, sobrinhas e crianças correndo pelos corredores e mexendo em tudo.
Já imaginaram minha cara de satisfação? Minhas coisas, meus presentes, tudo novinho e todo mundo mexendo e colocando onde queriam.
- Não, esse sofá fica melhor daquele lado...
- Se você colocar a cama debaixo da janela é ruim, não pode.
E ficaram, ficaram, ficaram, ficaram, ficaram...
E foram embora - eu já estava pensando que iam fazer um acampamento em minha sala...
Naquele dia eu senti na pele tudo o que me falaram sobre o casamento:
- Você nunca se casa com uma pessoa só, a família também faz parte do pacote!
A família dele, é claro.